Até que a sorte nos separe


Infelizmente, o Cinema Nacional ainda sofre muito preconceito. Os próprios brasileiros afirmam não gostarem de assistir os filmes produzidos aqui. O que é um tanto quanto estranho, pois temos nossa cultura ali representadas e, consequentemente há uma identificação com o público espectador. Alegam que as obras audiovisuais aqui produzidas ainda estão aquém das produzidas em outros países, principalmente em Hollywood, nos Estados Unidos. Apesar do roteiro falho, piadas clichês e atuações forçadas, Até que a sorte nos separe (2012) mostra uma melhora e um amadurecimento na comédia nacional. Retrata de uma forma leve e com uma linguagem simples problemas conjugais típicos de casais, não só brasileiros, mas da maioria dos países ocidentais. É uma sátira às pessoas que são arrebatadas pelo mundo capitalista contemporâneo, consomem mais do que podem e acabam falidas, por acumularem dívidas enormes.


Inspirado no best seller Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, de Gustavo Cerbasi, tem a direção assinada por Roberto Santucci (De Pernas Pro Ar) Leando Hassum e Danielle Winits retratam da melhor forma que conseguem a realidade de um casal que vai do céu ao inferno. Jane (Daniele Winits) consegue ganhar na loteria a fortuna de 100 milhões de reais, fortuna a qual parecia impossível de se gastar, porém com o modo de vida exuberante que o casal levava e, principalmente com as extravaganças de Tino (Leandro Hassum), com várias viagens ao ano, festas luxuosas e um estilo de vida sem limites, em 15 anos gastam todo o dinheiro que ganharam. Ao descobrir que está falido, Tino, contrariado, é obrigado a aceitar a ajuda de Amauri (Kiko Mascarenhas), seu vizinho, um consultor financeiro nada divertido e extremamente econômico que, ao mesmo tempo, enfrenta uma crise no casamento com sua esposa, Laura (Rita Elmôr).Tendo que se adaptarem ao novo estilo de vida e com a chegada de um novo bebê à família, passam por grande crise no casamento, mas como era de se esperar, o amor mostra que é maior que as dificuldades.


O filme surpreende bastante com suas quebras de espectativas ao fazer alusão à cenas clichês típicas das comédias americanas,como a cena presente em várias obras do gênero comédia romântica do homem apaixonado correr até o aeroporto para recuperar sua amada e sua família e expôr sua vida para a atendente do aeroporto para poder conseguir ter acesso a área de embarque, neste filme a atendente completamente sem expressão afirma que Tino pode trocar suas milhas acumuladas por uma passagem, este percebe que não precisava ter exposto sua vida.Um dos momentos hilários da obra.
Faz alusão à filmes hollywoodianos em vários momentos, como quando Tico satiriza a cena mais famosa do sucesso de bilheteria dos anos 80 Flashdance, de uma maneira escrotizada.
É um roteiro bem precário, raso e cheio de falhas, porém consegue arrancar vários risos e, até nos fazer refletir: Afinal, dinheiro traz ou não traz felicidade?


E minha reflexão final para todos nós pensarmos: O cinema nacional é ruim? Devemos entender que há filmes e filmes. Da mesma forma que há filmes excelentes e filmes horríveis em Hollywood também é assim no Brasil. Temos cineastas inteligentíssimos e talentosíssimos, que são obrigados a deixar o país por causa desse preconceito totalmente errôneo e presentear outros países com seu enorme talento.
Pensem nisso. Dêem uma maior chance ao cinema tão sincero, honesto e cheio de surpresas que é o nosso.

Comentários

Postagens mais visitadas