No Ritmo da Vida


Sinopse de No Ritmo da Vida:
Diante de um espelho de camarim nos fundos de um bar gay movimentado da cidade, Russell, um ator que virou drag queen, lutando para encontrar sua voz, recebe um ultimato doloroso.
Dominado pela indecisão, ele foge para a casa da avó no campo. Lá, ele encontra a sarcástica Margaret em declínio acentuado. Em uma solução perfeita, embora precária, para ambos, ele se muda para protegê-la de seu maior medo – a casa de repouso local.
Em pouco tempo, Russell está iluminando o bar da faculdade local com seu alter ego Fishy Falters. Antagonizado por sua mãe superprotetora, um universitário sexy, embora misterioso, um dono de bar gay em Cockney City e o espectro de seu avô artista fracassado, Russell luta para criar uma ousada nova identidade. Enquanto isso, Margaret luta para retomar o controle, apesar de sua mente decadente.




Mais sobre o filme e seus bastidores:

Para seu longa-metragem de estreia, Phil Connell queria fazer um drama familiar inspirado nas tradições cinematográficas dos dramas familiares americanos. Exceto por sua versão, Phil substituiria os Estados Unidos pelo Canadá e infundiria o filme em sua familiaridade com a cultura queer.

“Os dramas familiares foram os filmes que me interessaram em fazer filmes. Algo sobre a natureza íntima e idiossincrática de uma família em crise me prende – a tragédia, a comédia e a familiaridade de tudo isso. Houve um benefício prático também – uma peça de câmara parecia uma escala razoável para assumir como um primeiro longa”, afirma Phil Connell.



Ao longo do período de desenvolvimento do roteiro, a lente da câmara de Connell perderia parte desse benefício prático, à medida que o componente da cultura queer crescia em tamanho e escala. “Em algum momento, percebi que estava escrevendo uma história sobre escolher a vida como artista e identidade queer, o que levou a escrever cenas que retratavam a vida real”, diz Phil.

Além disso, o diretor foi firme que o papel de Margaret (apenas tinha que) ser desempenhado por uma personalidade famosa. “Os dramas familiares por sua própria natureza, com algumas exceções impressionantes, são independentes. O que tende a elevá-los ao mainstream (ou lhes dá a chance de fazê-lo) é uma poderosa performance matriarcal, de alguém que você conhece, reconhece e aprecia. Ou talvez seja só eu”, explica o diretor.




Então, é assim que NO RITMO DA VIDA veio a ser: um filme de estreia com micro-orçamento, um drama familiar clássico fundido com a cultura drag, apresentando um ícone muito especial e premiado com o Oscar.
O desejo de lançar talentos de destaque no papel de Margaret foi uma barreira significativa. Os produtores mais novos se sentiram mal equipados para buscar a escala necessária, já os produtores mais renomados não acreditaram na capacidade de Connell de atrair o financiamento necessário para pagar pelo filme (e a eles). Connell encontrou uma diretora de elenco local, Stacey Jenkins, disposta a levar o roteiro não financiado a agentes de Hollywood. E ela o fez – bateu nas portas dos agentes que representavam nomes de Hollywood com mais de oitenta anos, que ainda estavam trabalhando, ou pareciam estar.

A maioria ficou sem resposta e aqueles que responderam gentilmente recusaram o material. Exceto por um. O agente da premiada e talentosa Shirley MacLaine retornou o telefonema de Stacey. Ele gostou do material – gostou particularmente do neto drag queen, e Shirley também. "Ela está interessada", disse ele. Com isso, Connell voltou a todos os produtores que disseram não, aqueles que nunca voltaram para ele, e outros, com a notícia. Desta vez, eles retornaram seus telefonemas, mas a resistência ainda era forte. ‘Você ainda tem que levantar o dinheiro’, disseram em uníssono coral. Até que Phil encontrou Karen Harnisch. 




Harnisch, recém-saída do sucesso de Cannes de sua produção de estreia, Sleeping Giant, leu o roteiro de Connell com o contexto do interesse de MacLaine e participou da reunião. Sua agenda estava bastante cheia – ela já estava focada em promover sua próxima produção antes das filmagens de NO RITMO DA VIDA começarem, mas faria o que pudesse.

Phil e Karen trabalharam firmemente no projeto por um ano, refinando a visão, buscando apoio ao desenvolvimento e caminhos para o financiamento inicial. Quando a Telefilm (financiadora de filmes públicos do Canadá) reformulou seu programa Microbudget para o programa Talent-to-Watch, Connell tornou-se elegível. No entanto, Harnisch, que não era uma produtora de primeira viagem, não era. Ela teria que passar para um papel de produtora-executiva e passar o bastão para um produtor emergente.




Connell juntou-se às produtoras Hayley Brown (Stanleyville) e Yona Strauss (Chubby), ambas colegas próximas de Harnisch. Elas apoiaram Connell durante o processo de solicitação de financiamento. NO RITMO DA VIDA recebeu o prêmio Telefilm Talent-to-Watch, que deu ao projeto sua primeira dose séria de verba para trabalhar. Brown e Strauss, que conseguiram obter financiamento para outro projeto por meio do mesmo programa, tiveram que deixar o filme de Phil para não perder o financiamento do projeto delas. Brown era próximo de outra produtora emergente e amiga de infância, Katie Corbridge. Então, Karen colocou Corbridge em um encontro às cegas com Phil.

O primeiro desafio foi encontrar um diretor de elenco com talento para escalar uma estrela de Hollywood no papel de Margaret, com um orçamento apertado. Jenkins, que ajudou a despertar o interesse de Shirley MacLaine, não estava disponível, então eles se voltaram para o promissor Jesse Griffiths.

Connell e Corbridge analisaram os números, escolheram uma data para filmar e enviaram uma oferta. Griffiths começou com Shirley MacLaine dada a manifestação de interesse anterior, mas ela agora estava com uma nova agência. Rapidamente, Jesse e Phil criaram uma nova lista, agora com Holland Taylor, Ellen Burstyn, Tippi Hedren e Margaret Trudeau. Enquanto isso, a equipe começou uma abordagem totalmente diferente para encontrar o protagonista do filme, o ator e drag queen, Russell.




A primeira chamada trouxe mais de sessenta gravações. Entre eles estava Thomas Duplessie, natural de New Brunswick. Connell e Corbridge foram imediatamente cativados por Duplessie. Para Katie, ele acertou em cheio na cena, entrou no papel e o tornou seu, praticamente sem fazer muito esforço. Já para Phil, a performance drag foi precisa, adorável e crua, impossível desviar os olhos dele. Pouquíssimas pessoas conseguiram realizar toda a gama do que era necessário. Mas a sorte de principiante deixou Connell inquieto e houve a preocupação de que Duplessie parecesse muito jovem.

Griffiths expandiu a chamada para todo o Canadá e as demos continuaram a chegar. Enquanto isso, a equipe se voltou para o papel de Ene: a mãe de Russell e filha de Margaret, a antagonista da dupla, tentando consertar e proteger sua família quebrada. A equipe queria um veterano da indústria. Alguém com talento cômico, vulnerabilidade inerente e credibilidade do público. Connell sugeriu que Linda Kash e Griffiths se encontrassem.

A equipe veria mais de cento e cinquenta demos para o papel de Russell antes de Connell se deparar com uma foto granulada no Twitter de Duplessie com cabelos descoloridos, postada usando um aplicativo de selfie. Duplessie já havia feito uma segunda chamada de retorno e continuava no topo da lista. A imagem os impulsionou para uma sessão final em pessoa, onde viram três finalistas. O desempenho de Thomas foi tão convincente que o grupo corou. Com Duplessie mal saindo da porta, Connell assentiu com um sorriso. Griffiths e Corbridge ficaram eufóricos com um toque de ‘eu-te disse’.

Apesar do interesse pelo material, uma a uma, as estrelas para o papel de Margaret foram passando por conflitos de agenda, preocupação com a experiência de produção e a ressalva predominante de que eram “jovens demais” para interpretar uma mulher em idade tão avançada.




Connell e Griffiths, ao elaborar sua lista, de alguma forma, tinham esquecido a recordista do Emmy, vencedora do Oscar e lenda de Hollywood, Cloris Leachman. Leachman, com 93 anos na época, era conhecida por ser fã dos cineastas independentes e ainda estar trabalhando regularmente. Mais amplamente conhecida por seu trabalho de comédia na televisão, mas sem falta de créditos dramáticos em seu nome, a equipe estava esperançosa de que a oportunidade ressoasse.

A equipe dela leu o roteiro e concordou imediatamente. Na mesma época, Linda Kash aceitou a oferta para interpretar Ene. O sonho de elenco havia se tornado possível e concreto.

A equipe começou a buscar talentos para os numerosos demais papéis com fala. Eles preencheram o elenco com verdadeiras drag queens de Toronto, Tynomi Banks, Fay Slift e Miss Fiercalicious. Os veteranos da indústria Jayne Eastwood (Casamento Grego) e Mark Caven (Malévola) foram escalados, ao lado dos talentos emergentes Kwaku Adu-Poku (It's Nothing) e Andrew Buschell (The Wedding Planners) para os dois interesses amorosos de Russell, e Katie Messina (You Kill Me), que administra o Hannah’s Hovel. Foi um esforço gigantesco para Griffiths.




O trem havia saído da estação, mas a equipe ainda tentava fechar o financiamento. Enquanto Connell conduzia o filme, agora embalado para financiadores, Corbridge começou a planejar a produção e contratar pessoal-chave de produção. Uma das maiores dúvidas era se a equipe poderia viajar e acomodar toda a produção no Condado de Prince Edward (PEC), ou se algum lugar ao norte de Toronto teria que ser um substituto.

A equipe entrevistou mais de meia dúzia de diretores de fotografia, mas ficou particularmente impressionado com Viktor Čahoj (The Artist’s Way Out). Leachman e Duplessie desenvolveriam afeição por Čahoj no set. Leachman o provocava regularmente: “Wiktor, Wiktor, Wiktor…”, ressuscitando uma de suas famosas falas de O Jovem Frankenstein. John Dunnett (The Boys) se juntou à equipe como figurinista. 




Connell, Dunnett e Duplessie passaram por várias discussões para esboçar o figurino, em particular. Dunnett se inspirou em sua própria avó para criar o guarda-roupa de Leachman, culminando em seu épico vestido de noite de seda em camadas para o final do filme. Notavelmente, John foi ao designer de sapatos do Rocketman, Jeff Churchill, para criar as botas de skate do Fishy para o momento final do filme.

Allison Zwicker (Tehranto) foi contratada como Designer de Produção para criar a casa histórica de Margaret e criar dois bares drag – um de cidade pequena e outro de cidade grande. Joseph Hinds (Stanleyville) juntou-se como Designer de Cabelo e Maquiagem para criar a transformação facial de Russell em Fishy Falters.




Talvez uma das tarefas mais assustadoras do processo de filmagem tenha sido a música. Connell havia se juntado à veterana supervisora ​​de música Christine Leslie (Being Erica), anos antes de encontrar Harnisch e Corbridge. Como um filme drag, precisava de músicas reconhecíveis, de artistas icônicos. As músicas tinham que trabalhar dentro do tecido narrativo de cada cena, mas também tinham que se encaixar no tecido cultural queer do filme. E, eles precisavam trabalhar juntos. E, ser licenciado em uma corda de sapato.

Connell queria que Duplessie cocriasse sua própria coreografia, pois esta é uma história sobre um performer encontrando sua voz, como artista, portanto, era preciso sentir o dom natural de Russell, mas também seu processo.



Poucas semanas após a data de filmagem da equipe, a produção garantiu dinheiro suficiente para financiar a produção do filme. NO RITMO DA VIDA foi para o set em junho de 2019, em Toronto e no Condado de Prince Edward, filmando por um total de vinte dias. O marco zero para o filme era uma comuna de artistas aposentados em PEC chamada The Red Barns, que continha a casa da fazenda de Margaret, com espaços suficientes para a produção e para os proprietários viverem o caos.

NO RITMO DA VIDA passou o primeiro mês de pós-produção entrevistando editores. Harnisch apresentou a equipe a Lev Lewis, com quem ela havia trabalhado recentemente. Lewis ficou impressionado com a narrativa de fim de vida do filme, e a equipe ficou impressionada com o currículo de Lev. A primeira ordem do dia seria cortar um trailer do filme para fechar o restante do financiamento.




Com o filme passando por duas exibições de teste e se aproximando da fase de picture-lock, Connell abordou a produtora Allison Black (Giant Little Ones) para organizar os altos escalões da equipe em preparação para levar o filme ao mercado. Black juntou-se ao time como produtora-executiva, ao lado de Karen Harnisch.

Katie apresentou Connell ao compositor emergente Harry Knazan, com quem trabalhou em um estúdio de som de pós-produção. Ele montou um tema de NO RITMO DA VIDA baseado no tratamento que Phil desenvolveu, e foi instantaneamente contratado para o trabalho.



Knazan e seu estúdio de som iniciante, OSO Audio, também dirigido pelo supervisor de som Daenen Bramberger (Modern Whore), completaram a mixagem de som do filme. A Technicolor Toronto completou o trabalho de pós-produção do filme, com o apoio do colorista freelancer Jim Flemming.




FICHA TÉCNICA:
No Ritmo da Vida (Jump, Darling | Canadá, 2020 | 90min | Drama)
Direção: Phil Connell | Roteiro: Phil Connell, Genevieve Scott | Elenco: Cloris Leachman, Thomas Duplessie, Linda Kash, Jayne Eastwood, Daniel Jun, Rose Napoli, Andrew Bushell, Mark Caven, Katie Messina | Distribuição: A2 Filmes - DATA DE LANÇAMENTO: 17/02/2022 


*Informações fornecidas pela assessoria da A2 Filmes

Confira a minha crítica de No Ritmo da Vida a seguir:

Comentários

Postagens mais visitadas